Dieta Para Quem Faz Academia e Quer Emagrecer

Dieta Para Quem Faz Academia e Quer Emagrecer

Realizar atividade física é benéfico para o corpo e para a mente. Sua prática ajuda a melhorar a saúde, reduzindo o risco de desenvolver várias doenças como as cardíacas, diabetes e obesidade, por exemplo. Ela também pode contribuir com a redução dos sintomas ligados à depressão e seus benefícios podem ser imediatos e em longo prazo.

Quando a realização de exercícios é motivada por um objetivo específico como emagrecer, definir o corpo ou perder a barriga, ir para a academia e fazer o seu treino é apenas uma parte do processo. Não adianta queimar as calorias na esteira e recuperar todas elas naquele hambúrguer de um fast food, isso sem dúvida vai te colocar muito longe da sua meta.

Então, não há outra saída, é preciso associar as atividades com uma dieta para quem faz academia e quer emagrecer, pois através da alimentação você poderá obter as calorias e os nutrientes necessários para impulsionar o desempenho e potencializar os resultados esperados.

Alimentação para seu objetivo
Manter uma dieta equilibrada é importante para que você receba as calorias e nutrientes que o corpo precisa para impulsionar suas atividades diárias. Embora pareça, pode não ser algo tão simples, porque você precisa dos alimentos certos, nos horários certos.

Além disso, se o objetivo é emagrecer, você precisa criar um déficit calórico, então encontrar a quantidade de calorias diárias que você pode consumir é o primeiro passo, e o segundo é retirar 20% do total. Você não pode deixar de incluir no cálculo que realiza atividades físicas, pois isso será contabilizado na hora de definir a quantidade certa para você.

Tenha em mente que para perder peso você deve consumir menos calorias do que gasta, essa condição cria uma deficiência que condiciona o corpo a queimar a gordura corporal armazenada para obter energia. Por exemplo, se a sua quantidade de calorias diárias é 2.000, você descobrirá que 20% equivale a 400, então você deverá consumir apenas 1.600 para perder gordura.

Dieta para quem faz academia e quer emagrecer
Se você faz academia com o objetivo de emagrecer, saiba que para isso acontecer você precisa equilibrar a ingestão de proteínas, gorduras e carboidratos na sua alimentação. Todos os grupos são fundamentais e trazem benefícios importantes para que você alcance o seu objetivo e o segredo estará na escolha dos alimentos certos e a quantidade adequada de cada um.

Em vez de trazer cardápios prontos de dieta para quem faz academia e quer emagrece, a nossa proposta é que você entenda qual a importância dos nutrientes para o seu resultado e as quantidades recomendadas para o seu perfil, especificamente. Com essas informações você será capaz de elaborar os seus próprios cardápios, incluindo os alimentos que mais gosta, se identifica e que cabem no seu bolso.

ARTIGOS COMPLEMENTARES
Melhores Exercícios para Perder Peso Sem Ir à Academia
6 Dicas de Treino Para Secar Gordura
12 Dicas para Seu Projeto Verão Boa Forma
5 Erros que Quem Faz Esteira para Emagrecer Pode Estar Cometendo
Conheça agora cada um deles e descubra como eles contribuem para a sua dieta:

Proteínas
A proteína é considerada o macronutriente mais importante numa dieta para quem faz academia e quer emagrecer, sendo essencial para quem deseja criar músculos, definir o corpo e perder gordura. Alguns estudos indicam que a ingestão de proteína reduz a vontade de comer açúcar em 60% e aumenta a queima calórica em aproximadamente 100 calorias por dia. E ela não ajuda apenas a perder, mas também impede que você ganhe peso.

Existem evidências que indicam a proteína como essencial para perder a barriga. Um estudo mostrou que a quantidade e a qualidade de proteína estava totalmente relacionada à gordura abdominal. As pessoas que comiam mais e de uma qualidade melhor, tinham uma circunferência abdominal bem menor.

Os adultos precisam ingerir cerca de 0,8 gramas de proteína por dia para cada quilo de peso corporal e essa proteína pode vir de:

Aves como frango e peru;
Carne vermelha, de origem bovina e cordeiro;
Peixe, como salmão e atum são ótimas opções;
Laticínios, como leite e iogurte;
Leguminosas, como feijão e lentilhas;
Ovos.
Na hora de escolher, opte por cortes magros, com baixo teor de gorduras saturadas e trans, e se for possível, evite a carne vermelha e carnes processadas. Na hora de preparar, evite as frituras, a melhor opção é sempre a grelhada, cozida e assada.

Gorduras saudáveis
As gorduras são importantíssimas e as saudáveis podem ajudar a reduzir a inflamação e fornecer calorias importantes para o corpo. Obter gordura suficiente é uma estratégia inteligente para os que praticam exercícios, pois a gordura retarda o esvaziamento do estômago, e isso fará você se sentir mais cheio. Ela também aumenta a saciedade, o que “desliga” os hormônios da fome, estimula a absorção de antioxidantes e aumenta a taxa metabólica, para ajudá-lo a queimar mais calorias.

Diferente do que muitos pensam a gordura, é um dos nutrientes mais importantes da dieta para quem faz academia e quer emagrecer, porque sem ela você não pode renovar as suas células. Então, se você está tentando reduzir o seu percentual de gordura corporal, não tenha medo de adicionar a gorduras como as insaturadas, que ​​ajudam a fornecer ácidos graxos essenciais e calorias para mantê-lo em movimento.

As gorduras devem representar 20 ou 30% de sua ingestão total de calorias, geralmente 25% é o mais comum e cada 1 grama contém 9 calorias.

As opções saudáveis ​​incluem:

Saiba mais: Kifina

Nozes;
Sementes;
Abacates;
Azeitonas;
Óleos, como o azeite de oliva e coco.
Carboidratos
Os carboidratos são muito importantes e a principal fonte de energia para o corpo. De acordo com a Mayo Clinic, entre 45% e 65% do total de calorias diárias deve vir de carboidratos, principalmente se você se exercitar. O segredo está em escolher o tipo certo, pois muitas pessoas escolhem os errados.

A ingestão adequada de carboidratos também ajuda a evitar que a proteína seja usada como energia durante o treino e isso é muito importante, pois quando acontece ela deixa de desempenhar o seu papel principal, como ajudar a construir os músculos.

Sempre que for comer carboidratos, opte pelos complexos. Eles são encontrados em arroz integral, pão integral, quinoa, aveia, batata doce, frutas, legumes, grão de bico e feijão. Isso é importante porque os grãos integrais são digeridos lentamente e essa condição traz uma saciedade maior, evitando que você fique beliscando entre as refeições, além de manter o seu corpo abastecido por muito mais tempo.

Eles também ajudam a estabilizar seus níveis de açúcar no sangue e os grãos de qualidade têm as vitaminas e minerais que você precisa para manter seu corpo funcionando muito bem.

Quanto de proteína, gorduras e carboidratos devo consumir para montar meu plano de dieta?
Criar uma dieta para quem faz academia e quer emagrecer envolve incluir alimentos dos grupos citados acima, respeitando os seus limites diários. Para saber o quanto você deverá consumir de cada é preciso saber qual é a quantidade de calorias que você pode ingerir diariamente, pois se o objetivo é emagrecer, é necessário criar um déficit calórico de 20% da quantidade total, certo?

Na prática, isso acontecerá da seguinte forma: se o seu total é 2.000 calorias, retirar 20% significa que você terá um total de 1.600 calorias diárias. A partir daí, a quantidade de proteínas, gorduras e carboidratos podem ser calculados. Veja como fazer:

O total de proteínas deve ser o equivalente a 0,8 gramas para cada quilo de peso corporal, então se você pesa 80 quilos, por exemplo, deverá consumir 64 gramas diariamente. Cada grama de proteína tem em média 4 calorias, isso significa que ao ingerir 64 gramas você terá consumido 256 calorias.
Aproximadamente 25% de sua ingestão total de calorias deve vir de gorduras. Se seu cardápio permite 1.600 calorias, isso significa que 400 calorias serão provenientes de gorduras. Cada grama de gordura contém 9 calorias, isso significa que você precisará consumir 44,4 gramas de gordura por dia.
Até aqui, já utilizamos 656 calorias das 1.600, então faltam 944, que deverão vir dos carboidratos. Cada 1 grama de carboidratos contém 4 calorias, então para atingir esse total é necessário comer 236 gramas por dia.
Então, sua meta diária é:

600 calorias por dia;
64 gramas de proteína por dia;
44,4 gramas de gordura por dia;
266 gramas de carboidratos por dia.
Com essas informações em mãos, você fica livre para criar o seu plano de alimentação e incluir aqueles alimentos que melhor atende o seu paladar e as suas necessidades. Procure combinar em todas as refeições principais proteínas, carboidratos e gorduras e lembre-se de que alguns alimentos contêm todos eles, então considere a composição de cada um na hora de elaborar seu prato.

Dicas importantes
1. Não pule o café da manhã

O café da manhã é uma das principais refeições do dia, e acredite, ele é muito importante. Um artigo publicado na Harvard Health Letter relatou que tomar café da manhã regularmente está associado a um menor risco de obesidade, diabetes e doenças cardíacas.

Essa refeição é importante porque pode ajudar a repor o açúcar no sangue, que seu corpo precisa para alimentar seus músculos e cérebro. Se for dia de treino, essa refeição tem uma importância ainda maior, porque pular o café da manhã pode te deixar tonto ou lento durante os exercícios.

Elimine os carboidratos refinados, pois eles são digeridos rapidamente e logo você estará com fome, além de não oferecer nutrientes para o corpo. Escolha aqueles repletos de fibras e proteínas, porque esses espantam a fome, nutrem o corpo e garantem a energia que você precisa para dar o seu máximo durante os exercícios.

Troque cereais feitos de grãos refinados e açúcar por aveia, farelo de aveia ou outros cereais integrais ricos em fibras e adicione alguma proteína, como leite ou iogurte.

Se você prefere uma panqueca, procure substituir um pouco ou toda a farinha de trigo por aquela feita com grãos integrais. Também pode ser muito interessante incluir o queijo cottage na massa.

Se preferir pão, escolha aqueles que são 100% integrais. Adicione um ovo ou outra fonte de proteína para ter uma refeição completa.

2. Inclua frutas e vegetais nas refeições

As frutas e os vegetais são considerados ótimas fontes de fibras naturais, vitaminas, minerais e outros nutrientes que seu corpo precisa para funcionar adequadamente. De quebra, contêm baixas calorias e gorduras.

Trocar a sobremesa por uma fruta e encher metade de seu prato com verduras em todas as refeições é uma boa ideia. Quanto mais colorido estiver o prato, maiores serão as chances de receber vitaminas, minerais e antioxidantes que precisamos. As frutas também são opções interessantes para os lanches entre as refeições da dieta para quem faz academia e quer emagrecer.

3. Não corte muitas calorias

Por mais que seja tentador, restringir a quantidade de calorias além do limite necessário pode sabotar o seu resultado. Reduzir calorias é essencial para a perda de peso, mas cortar mais do que é preciso pode te deixar exausto ou doente, e nessa condição você nunca atingirá o resultado esperado. Se o corpo estiver enviando sinais como este, pode apostar que você não está recebendo as calorias necessárias para ter saúde e boa forma.

Uma dieta contendo entre 1.200 a 1.500 calorias diárias é adequada para a maioria das mulheres que estão tentando perder peso com segurança, e para os homens, a quantidade aproximada é de 1.500 a 1.800 calorias. Se o seu treino é bastante intenso, talvez seja necessário ingerir mais calorias durante o dia.

4. Faça sempre uma alimentação pré e pós-treino

Comer antes do treino é fundamental para que você tenha a energia necessária para obter o máximo do seu exercício. Já a alimentação pós-treino ajudará na recuperação e na construção de músculos. Equilibre as suas refeições nesses dias para garantir que estará recebendo os nutrientes antes e depois dos exercícios.

O equilíbrio é a chave do emagrecimento, estando ciente dos grupos alimentares necessários e da quantidade que precisa ingerir diariamente, você começará a experimentar diversas combinações e perceberá quais aumentam a sua energia e quais têm efeitos negativos.

Durante o processo, não deixe de reparar nos sinais que seu corpo está enviando como resposta da sua alimentação e prática de atividades físicas. Isso conduzirá a um equilíbrio e dessa forma certamente você obterá os resultados que está buscando. Também considere conversar com seu médico ou nutricionista para saber quantas calorias você precisa para apoiar seus objetivos.

Leia mais https://www.mundoboaforma.com.br/dieta-para-quem-faz-academia-e-quer-emagrecer/#3Wclidcmqi2MFb84.99

ÓLEOS ESSENCIAIS RELAXANTES

ÓLEOS ESSENCIAIS RELAXANTES

Quem é que não curte um aroma gostoso, né? Melhor ainda se sua essência for puríssima. Já expliquei uma vez no blog (há 5 anos, direto do túnel do tempo! hahahaha) que todo perfume nada mais é que uma mistura de água, álcool e óleos essenciais aromáticos. E é sobre esses últimos que vou falar na resenha de hoje!

Leia também: Óleo de baobá como usar

Para verem meu dossiê completo sobre perfumes, cliquem aqui!

ÓLEOS ESSENCIAIS RELAXANTES DA L’OCCITANE
óleos essenciais

Como devem saber, a L’Occitane é uma marca que trabalha fortemente com a extração dos óleos essenciais para a fabricação de perfumes e cosméticos. Eles são retirados de flores, plantas e ervas por meio de métodos variados, sendo o mais comum a destilação. É por isso que, dentro da linha Aromacologia, há um coquetel relaxante feito dos óleos essenciais extraídos da lavanda, bergamota, laranja e gerânio.

óleos essenciais

A combinação, de acordo com a marca, é sutil e possui aroma delicado, ajudando a aliviar o estresse. Curto bastante essa pegada ~natureba e, por isso, fiquei animada com o produto. Ele vem nessa embalagem mini de vidro (com 10 ml), com um dosador na ponta. Lembrem-se de que óleos essenciais são extremamente concentrados, por isso não é necessário muito para sentir um aroma presente.

COMO USAR OS ÓLEOS ESSENCIAIS RELAXANTES
óleos essenciais

As sugestões de uso indicadas pela L’Occitane são: diluir 15 gotas na água da banheira ou 5 gotas em 2 colheres de sopa de óleo neutro para massagem. Como não tenho nenhum dos dois, usei outras técnicas!

A primeira foi incluir na prateleira do box um potinho com água quente e os óleos essenciais diluídos. O banho ficou muito mais gostoso (pode ser coisa da minha cabeça, claro, mas me sinto a própria Cleópatra fazendo spa, hahahaha). Já a outra foi colocar gotinhas do produto em um algodão e deixá-lo perto do travesseiro para um sono restaurador. Não tive alergia e o cheirinho é uma delícia, tranquiliza mesmo!

ÓLEOS ESSENCIAIS RELAXANTES: A FÓRMULA PURA
óleos essenciais

Como nem tudo é perfeito, os Óleos Essenciais Relaxantes Aromacologia são caros pra burro. Cada frasco custa R$ 88 nas lojas L’Occitane (no site da marca está esgotado por enquanto)! É uma frescurinha? Talvez sim, mas estou gostando da experiência de usar! Lembrando que dá para encontrar óleos essenciais em blend de outras marcas também. Fiquem só atentas à fórmula, que precisa ser purinha!

10 máscaras faciais de até R$ 37 para você fazer um spa em casa

10 máscaras faciais de até R$ 37 para você fazer um spa em casa

Tem pra remover cravos, diminuir manchas, rejuvenescer a pele…

Poucas coisas são tão relaxantes quanto acender uma vela cheirosa, colocar um roupão fofinho, dar o play numa música relaxante e aplicar uma máscara facial.

Seja para fazer aquele detox power (a pele sofre com o excesso de maquiagem, viu?), para remover os cravos ou dar um up na elasticidade do rosto, há opções mil – e bem acessíveis! – para você montar um spa caseiro. A seguir, reunimos 10 opções baratinhas de R$ 12 até R$ 37 para comprar e aplicar hoje mesmo. De nada!

Leia também: Máscara Preta funciona

+ 7 receitas de máscaras faciais para você fazer em casa
+ Descubra as máscaras faciais favoritas das celebridades
+ Coreia calling! Mais de 10 máscaras faciais poderosas e divertidas entre nós

PARA UM DETOX NA PELE…

Máscara Facial Detox Argila Pura Matificante, L’Oréal Paris, R$ 36,90: purifica e remove as impurezas! Compre aqui.

Máscara Facial em Lenço Detox, The Beauty Box, R$ 32: para deixar a pele purificada, hidratada, saudável e iluminada! À venda aqui.

PARA REDUZIR A OLEOSIDADE…

Máscara de Limpeza Facial Korres Pomegranate, Korres, R$ 34,90: absorve o excesso de oleosidade e remove as impurezas da pele. Compre aqui.

Máscara Negra Facial com Minerais Clearskin, Avon, R$ 17,99: remove a oleosidade dos poros obstruídos agindo como um ímã! Compre aqui.

PARA COMBATER AS MANCHAS…

Máscara Facial Clareadora Wild Rose, Korres, R$ 34,90: repara as marcas escuras e uniformiza o tom da pele. Compre aqui!

+ Top 5 de beleza: máscara facial é “o” produto 1001 utilidades do skincare
+ Já queremos a máscara facial de R$ 15 da Bruna Marquezine
+ Máscara facial é o produto do momento no skincare; encontre a sua

PARA ELIMINAR OS CRAVOS…

Máscara Facial Removedora de Cravos Clearskin, Avon, R$ 12,99: remove cravos, impurezas, oleosidade e sujeira da pele. À venda aqui.

Máscara Esfoliante 3 Em 1 Neo Essens, Eudora, R$ 19,99: combate e previne cravos e espinhas, interrompendo o ciclo de formação da acne. Compre aqui!

PARA REJUVENESCER A PELE…

Máscara Anti-Idade Facial Collagen, Dermage, R$ 12: auxilia na formação de colágeno, melhorando a elasticidade, a luminosidade e maciez da pele. Compre aqui!

Máscara Facial Orquídea, Sephora, R$ 34: combate o aparecimento de rugas e sinais de envelhecimento, deixando a pele mais firme! Compre aqui.

Curte o conteúdo da Glamour? Ele está no nosso app e agora também no Globo Mais, o app que é muito mais do que uma banca. Nele você tem acesso a um conteúdo exclusivo em tempo real e às edições das melhores publicações do Brasil. Cadastre-se agora e experimente 30 dias grátis.

Óleos corporais: 6 tipos e como usá-los para uma pele ultra hidratada

Óleos corporais: 6 tipos e como usá-los para uma pele ultra hidratada

Três especialistas indicam os produtos perfeitos para hidratar e nutrir a derme

Com o fim do Verão e a chegada do Outono, os efeitos dos excessos de sol, praia e piscina começam a aparecer na pele. A dica para repara-los é apostar em óleos corporais que nutrem profundamente a derme com suas propriedades diversas. Qual tipo escolher? Reunimos as dicas de três especialistas — Marcia Rissato (terapeuta floral da Mona’s Flower), Mariana Vitte (naturóloga e coordenadora estética do W Estética & SPA) e Nathalia Carravetta (especialista em aromas da L’eponge) — para desvendar a versão perfeita para a sua necessidade.

SAIBA MAIS
Na própria pele: linha de skincare que aposta em tratamento customizado
O boom de cosméticos para tratar a flora da pele
Tratamento com vitamina C ilumina a pele opaca pelos excessos da praia
Óleo de gerânio e rosa
Este óleo age diretamente no chakra do plexo solar, responsável por redistribuir a energia corporal. Ele é ótimo para drenagens linfáticas e Marcia recomenda misturar oito gotas deste óleo em 10 ml de óleo vegetal base para espalhar pelo corpo antes de iniciar o procedimento de automassagem.

Leia também: Óleo de Argan pra que serve

Óleo de coco
Ficou com a pele ressecada ou desvitalizada após muito sol? Aposte no óleo de coco, que tem caráter cicatrizante e anti-séptico. A dica de Nathalia é aplicar o produto nas mãos e nos pés, regiões de mais ressecamento durante esta época.

Óleo à base de aloe vera, algas e pepino
Se você busca eliminar toxinas e promover a circulação, este é o tipo perfeito para você, como indica Mariana. “Perfeito para remover células mortas, este óleo pode ser utilizado para fazer uma massagem relaxante com manobras modeladoras”, sugere.

Óleo de Argan
Esta é uma opção perfeita para garantir hidratação durante o Outono, já que o óleo promove proteção e nutrição da pele, além de ser anti-idade, rico em vitamina E, polifenóides e ômega 6 e 9. A dica de Nathalia é aplicá-lo durante o banho todos os dias.

Óleo de Pracaxi
Assim como o óleo de Argan, ele é enriquecido em vitamina E e tem ação anti-inflamatória. Ele é um ótimo agente contra celulites — “aplique na área desejada antes de realizar a massagem”, aconselha Marcia.

Óleo de Framboesa
Que se hidratar? Aposte neste óleo, que também conta com alto poder anti-oxidante e é rico em ácidos graxos e tocoferóis naturais. Mariana aconselha aliar o óleoa massagens redutoras de medidas para um resultado ainda mais satisfatório.

Curte o conteúdo da Vogue? Ele está no nosso app e agora também no Globo Mais, o app que é muito mais do que uma banca. Nele você tem acesso a um conteúdo exclusivo em tempo real e às edições das melhores publicações do Brasil. Cadastre-se agora e experimente 30 dias grátis.

10 RECEITAS DE CHÁ DE GENGIBRE: QUENTE E GELADO

10 RECEITAS DE CHÁ DE GENGIBRE: QUENTE E GELADO

Qualquer um que se preocupe com alimentação e saúde, sabe da importância e dos quase mágicos benefícios do gengibre. Um rizoma fantástico com tantos poderes que pode ser considerado um verdadeiro remédio natural que cura qualquer mal, das dores aos resfriados. E a melhor, ou a mais conhecida forma de usá-lo, é em chás. Se fizer frio ou se fizer calor, neste artigo você vai aprender a fazer 10 receitas de chá de gengibre para beber quente, frio ou gelado e em diversas combinações e misturas com outras plantas, ervas e frutas, todas saudáveis e especiais.

GreenMe chegou a fazer uma matéria explicando claramente seus benefícios e dando algumas dicas de modo de uso. O rizoma tem propriedades descongestionantes, sendo muito indicado para combater doenças das vias respiratórias e da garganta, atuando como antisséptico e anti-inflamatório. Além de detox, ajuda a combater náusea, alivia dores intestinais, combate a dor muscular, auxilia na prevenção do câncer, dá energia, emagrece e ainda por cima é afrodisíaco!

Eu pessoalmente sempre que fico doente e pronta para ir para cama, não consigo ficar sem um chazinho e, por isso, decidimos disponibilizar para vocês algumas receitas inovadoras de chás para serem feitos em casa com essa raiz maravilhosa.

Como comprar o gengibre
Para fazer chá de gengibre, é recomendado que se compre o gengibre inteiro ou em pedaços, pode ser fresco ou até seco. Caso opte por comprá-lo fresco, é necessário prestar atenção na cor e consistência do gengibre: quando ainda verdes, apresentam uma consistência um pouco mais macia e úmida, e nesse caso, sua casca pode ser conservada, agora, quando são adquiridos maduros, suas cascas são duras demais e devem ser retiradas. Recomenda-se retirar a casca raspando uma colher no rizoma, para não desperdiçar nada!

Outros cuidados e dicas no preparo do chá de gengibre
* O gengibre quando usado para fazer chá pode ser colocado na água tanto em pedaços, quanto macerado, é bom saber que quando macerado, ele libera ainda mais substâncias, porém sua resistência para com a água é menor.

* Caso você esquente demais o rizoma, ele pode perder parte de suas propriedades

* Opte pelo uso de mel ou açúcar mascavo para adoçar o chá

* Não é recomendado armazenar o chá por muito tempo, porém caso o faça, opte por guardá-lo na geladeira e quando for tomar, reaquecê-lo.

* Em caso de febre muito alta (maior que 38º) e inflamações na pele, não se recomenda o consumo do chá

* Em caso de gravidez é melhor consultar um médico.

* O chá de gengibre atua como anticoagulante e por isso hematomas podem sangrar mais.

Agora que você já sabe um pouco sobre o ingrediente principal, vamos partir para as receitas:

Receita básica de chá de gengibre
Ingredientes

– de 2 a 3 centímetros de gengibre fresco, ou 5 colheres do rizoma macerado.

– 1 litro de água.

Preparação

* Após preparar o gengibre (cortar em pedaços ou macerar), espere a água ferver e adicione o rizoma.

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados) e desligue o fogo.

* Espere a temperatura baixar um pouco, coe e tome!

Chá de gengibre com limão
ginger and lemon tea
Ingredientes

– de 2 a 3 centímetros de gengibre fresco, ou 5 colheres do rizoma macerado.

– 1 litro de água.

– 1 limão.

– Caso goste, pode-se adicionar 3 folhas de menta ou uma de erva-cidreira.

Leia também: chá de gengibre como fazer

Preparação

* Após preparar o gengibre (cortar em pedaços ou macerar), espere a água ferver e adicione o rizoma.

* Use o suco de um limão ou corte a fruta ao meio e a coloque, com casca, na panela.

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados) e desligue o fogo.

* (Aqui as folhas de ervas seriam adicionadas!)

* Espere a temperatura baixar um pouco, coe e tome!

Chá de gengibre com camomila
gengibre e camomila
Ingredientes

– de 2 a 3 centímetros de gengibre fresco, ou 5 colheres do rizoma macerado.

– de 2 a 3 colheres (sobremesa) de camomila

– 1 litro de água.

Preparação

* O procedimento é quase o mesmo:

* Após prepara o gengibre (cortar em pedaços ou macerar), espere a água ferver e adicione o rizoma.

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados). Caso utilize camomila fresca, adicione-a neste momento! Desligue o fogo.

* Adicione a camomila (seca) e mantenha a tampa da panela.

* Espere a temperatura baixar um pouco, coe e tome!

Chás de gengibre que ficam deliciosos gelados:
Chá de gengibre com goji berry
gengibre goji berry
Ingredientes

– de 2 a 3 centímetros de gengibre fresco, ou 5 colheres do rizoma macerado.

– 2 colheres (de sobremesa) de goji berries

– 1 limão.

– 1 litro de água.

Preparação

* O procedimento é quase o mesmo:

* Após prepara o gengibre (cortar em pedaços ou macerar), espere a água ferver e adicione o rizoma.

* Use o suco de um limão ou corte a fruta ao meio e a coloque, com casca, na panela.

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados). Desligue o fogo.

* Espere a temperatura baixar um pouco, coe, adicione as gojiberries e tome, as frutinhas estarão hidratadas e super saborosas depois! Prontas para serem comidas!!!

Chá de gengibre com casca de abacaxi
gengibre e abaxi
Ingredientes

– de 2 a 3 centímetros de gengibre fresco, ou 5 colheres do rizoma macerado.

– casca de um pequeno abacaxi

– 1 limão.

– 1 litro de água.

Preparação

* O procedimento é quase o mesmo:

* Prepare o gengibre (cortar em pedaços ou macerar)

* E o abacaxi, lavando bem sua casca, e cortando-a

* Espere a água ferver e adicione o rizoma.

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados). Desligue o fogo.

* Espere a temperatura baixar um pouco, coe e tome!

* Este delicioso chá pode ser tomado quente ou frio! E caso prefira, pode até adicionar uma pitada de menta ou hortelã no final, para dar um gostinho ainda mais refrescante!

Leia também: SUCO DE ABACAXI COM GENGIBRE PARA EMAGRECER

Chá de gengibre com canela, casca de abacaxi e laranja
gengibre canela
Ingredientes

– de 1 a 2 centímetros de gengibre fresco, ou 4 colheres do rizoma macerado.

– casca de um pequeno abacaxi

– 1 laranja

– 1 pau de canela.

– 1 litro de água.

Preparação

* O procedimento é quase o mesmo:

* Prepare o gengibre (cortar em pedaços ou macerar)

* E o abacaxi, lavando bem sua casca, e cortando-a. Faça o mesmo com a laranja.

* Espere a água ferver e adicione TODOS os ingredientes.

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados). Desligue o fogo.

* Adicione uma pitada de suco da laranja.

* Espere a temperatura baixar um pouco, coe e tome!

* Este chá também fica delicioso gelado! Você pode guarda-lo na geladeira ou adicionar gela à receita.

Chá de gengibre, hortelã, cravo, canela e abacaxi!
Este chá além de delicioso faz muito bem para a saúde, pois contém propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e digestivas. Parece elaborado, mas é muito fácil de preparar e vale a pena!

Ingredientes

– de 1 a 2 centímetros de gengibre fresco, ou 4 colheres do rizoma macerado.

– casca de um pequeno abacaxi

– 1 laranja

– 1 pau de canela.

– 5 cravos-da-índia

– 3 galhos de folha de hortelã ou menta (seca ou fresca)

– 1 litro de água.

Preparação

* O procedimento é quase o mesmo:

* Prepare o gengibre (cortar em pedaços ou macerar)

* E o abacaxi, lavando bem sua casca, e cortando-a. Faça o mesmo com a laranja.

* Espere a água ferver e adicione o gengibre, as cascas de laranja e abacaxi, os cravos-da-índia e a canela.

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados). Caso utilize menta ou hortelã fresca, adicione-a neste momento! Desligue o fogo.

* Adicione a menta ou hortelã (seca) e mantenha a tampa da panela.

* Adicione uma pitada de suco da laranja.

* Espere a temperatura baixar um pouco, coe e desfrute!

Chá de gengibre com nabo, canela, cravo, laranja e hortelã (ou menta)
gengibre canela naraja
Este chá parece maluco, mas é incrível! Muito funcional para casos de dores e mal-estar

Ingredientes

– de 1 a 2 centímetros de gengibre fresco, ou 4 colheres do rizoma macerado.

– 2 laranjas

– ½ pau de canela.

– 2 rodelas de nabo

– 5 cravos-da-india.

– 3 folhas de hortelã ou menta (seca ou fresca)

– 700 ml de água.

Preparação

* O procedimento é quase o mesmo:

* Prepare o gengibre (cortar em pedaços ou macerar)

* Corte os dois pedaços de nado e descasque.

* Espere a água ferver e adicione o gengibre, o nabo, os cravos-da-índia e a canela.

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados). Caso utilize menta ou hortelã fresca, adicione-a neste momento! Desligue o fogo.

* Adicione a menta ou hortelã (seca) e mantenha a tampa da panela.

* Adicione o suco das laranja.

* Prontinho, agora é só aproveitar!

Chá de gengibre com canela, limão hortelã e eucalipto!
gengibre menta
Ótimo remédio para aqueles que estão com nariz entupido, sinusite ou dor de cabeça.

Ingredientes

– de 1 a 2 centímetros de gengibre fresco, ou 4 colheres do rizoma macerado.

– 1 limão

– ½ pau de canela.

– 3 folhas de eucalipto.

– 3 folhas de hortelã ou menta (seca ou fresca)

– 700 ml de água.

Preparação

* O procedimento é quase o mesmo:

* Após prepara o gengibre (cortar em pedaços ou macerar), espere a água ferver e adicione o rizoma, e a canela.

* Adicione metade do limão com casca

* Tampe a panela e deixe em fogo baixo.

* Aguarde de 5 a 10 minutos (é neste momento que o mel ou açúcar mascavo devem ser adicionados). Caso utilize eucalipto e menta fresca, adicione-as neste momento! Desligue o fogo.

* Esprema a outra metade do limão

* Adicione a menta e eucalipto (seca) e mantenha a tampa da panela.

* Espere a temperatura baixar um pouco, coe e tome!

Leia também: HORTELÃ: 10 USOS EM CASA E NA COZINHA

Chá de gengibre com chá verde e limão
– 5 cm de gengibre fresco

– 1 litro de água

– 4 colheres de chá de chá verde

– suco de 1 limão

– 4 rodelinhas de limão

– mel

Preparo

* Retire a casa do gengibre, corte-o em fatias finas e leve-o para ferver.

*Adicione o chá verde e deixe em infusão por 3 minutos. *

* Adoce com o mel e deixe esfriar. Somente quando estiver frio adicione o limão.

* Sirva gelado decorado com as rodelas de limão.

Os chás de gengibre são para todos os gostos, já que podem ser adicionadas as mais diversas especiarias nele, e além disso, ele pode ser tomado tanto quente, quanto frio! E só de saber o incrível bem que faz para a saúde da até mais vontade de tomar!!!

A Tendência das Máscaras Faciais de Tecido

A Tendência das Máscaras Faciais de Tecido

Não é segredo nenhum que a brasileira ama importar os hábitos de beleza das asiáticas. Nos apaixonamos por BB Cream anos atrás, estamos aprendendo a seguir os passos da rotina diária das coreanas e até estamos olhando de forma mais crítica as fórmulas dos cosméticos.

E vocês já repararam que as máscaras faciais de tecido vieram com tudo em meio ao boom asiático? O que começou de forma simples por aqui, se tornou uma verdadeira febre, com marcas nacionais apostando na tendência. E esse tsunami de máscaras faciais vai muito além das selfies de Instagram.

Vesti meu chapéu de Sherlock Holmes e decidi investigar a fundo essa tendência. Venha, Watson!

Leia também: Máscara de pepino comprar

As máscaras faciais de tecido (sheet mask, no inglês) começaram a despontar na Coreia do Sul como uma forma de tratamento express, eficiente e barato. Basta aplicar o tecido diretamente na pele, esperar alguns minutos e voilà! Temos uma pele renovada.

E as coreanas são apaixonadas por métodos eficazes e rápidos de cuidar da pele. Coisa que nós ocidentais também amamos. Afinal, não é sempre que temos tempo e nem dinheiro para um tratamento spa, né?

Essas máscaras faciais de tecido lembram muito um lenço umedecido. Elas são embebidas com ativos e fórmulas que hidratam, reparam e cuidam da pele. Algumas até entregam um efeito lifting, diminuem poros e combatem espinhas.

Elas são descartáveis e fáceis de usar. Basta abrir o pacotinho, aplicá-la diretamente na pele por uns 20 minutinhos.

Você pode usar sua máscara para uma ocasião especial em que você queira uma pele impecável. Mas se você quiser seguir os passos das coreanas, vale usar as máscaras duas vezes por semana.

As máscaras faciais de tecido não excluem toda a sua rotina de skincare, viu? Ela serve como um complemento bem babadeiro e que dá um boost nos seus cuidados com a pele.

Como essa febre pegou primeiro na gringa, por muito tempo só existiam opções de máscaras nas marcas importadas. Aqui no Brasil uma das empresas pioneiras em trazer máscaras assim foi a Sephora.

Contudo, a brasileira pegou gosto e o mercado nacional começou a investir em opções baratinhas. A Ricca é uma das empresas pioneiras em explorar esse mercado tão novo ao Brasil.

E eu acredito que essa moda vai pegar cada vez mais. Sinto que a brasileira está valorizando mais produtos de skincare. E o nosso namoro com as máscaras de tecido tem tudo pra virar casamento hehe.

Alopecia (queda de cabelo): o que é, tipos, tratamento, tem cura?

Alopecia (queda de cabelo): o que é, tipos, tratamento, tem cura?

Um dos aspectos que têm influência na construção da autoestima é o cabelo. Suas variações e as possibilidades de cortes e cores são explorados pelo público feminino e também masculino.

Segundo a Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC), 50% das mulheres têm alguma queixa sobre queda capilar. É considerado normal a queda de até 100 fios por dia, mas quando essa taxa passa a ser maior, algo pode estar errado.

Essa é a hora de consultar um profissional e saber o que está acontecendo. O problema pode se tratar de alopecia, condição que atinge homens e mulheres e que, em alguns casos, exige tratamento.

Índice — neste artigo você encontrará as seguintes informações:

O que é a alopecia?
Quais são os tipos de alopecia?
Qual a diferença entre alopecia areata e a queda de cabelo comum?
Alopecia feminina
Há diferenças entre a queda de cabelo no homem e na mulher?
Quais as causas da alopecia?
Fatores de risco
Quais são os sinais da alopecia?
Como é feito o diagnóstico?
Exames
Tem cura?
Qual o tratamento?
Medicamentos
Convivendo
Prevenção: como evitar a queda capilar?
O que é a alopecia?

A alopecia é a perda de grande quantidade de cabelo, que pode acontecer por meio de alterações hormonais, inflamação, genética e até doenças sistêmicas. No tipo androgenético, ela também pode ser chamada de calvície.

A queda pode acontecer em outras partes do corpo que contêm fios de cabelo, como barba, sobrancelha, bigode, entre outros.

Para crescer e se desenvolver, o cabelo possui um ciclo de vida programado, no qual ocorrem as fases:

Anágena (fase de crescimento, com duração de 2 a 6 anos);
Catágena (fase de crescimento transicional e início da fase de repouso, com duração de 2 a 3 semanas);
Telógena (fase de repouso, com duração de 2 a 3 meses).
É normal que na fase de repouso ocorra a queda, pois nesse momento os fios antigos e sem vida são empurrados pelos novos fios em crescimento. Essa queda pode ter influência de situações individuais, como estresse e falta de vitaminas.

A alopecia se manifesta em cerca de 50% dos homens e 40% nas mulheres acima dos 50 anos. Alguns casos por influência genética podem surgir ainda na adolescência.

Os valores são maiores nos homens pois a queda de cabelo está relacionada à testosterona (hormônio sexual masculino). A substância sofre processos enzimáticos que podem resultar no afinamento dos fios de cabelo, causando a queda.

O corpo das mulheres também produz o hormônio, mas em quantidades significativamente menores. Apesar de ter menos testosterona, elas sofrem maiores variações hormonais (sobretudo na gravidez e menopausa), o que gera também a alopecia.

Mas, além das taxas hormonais, outras condições podem auxiliar no enfraquecimento dos fios, como inflamações, alterações da tireoide, estresse e uso inadequado de produtos químicos.

O tratamento consiste em identificar a origem da alopecia. Com cuidados devidamente indicados pelo médico, o cabelo geralmente retorna a crescer. Porém, se a condição for genética, a queda pode ser persistente.

Nesses casos, é possível recorrer aos transplantes, lasers, entre outros tratamentos, garantindo uma melhora na qualidade de vida e autoestima do paciente.

A doença pode ser encontrada no CID-10 sob os códigos:

L63 – Alopecia areata;
L64 – Alopecia androgenética;
L66 – Alopecia cicatricial.
Quais são os tipos de alopecia?
A alopecia pode ser classificada de acordo com as causas do problema. Entenda:

Alopecia areata
Este tipo de alopecia caracteriza-se pela perda de cabelo em forma de círculos pequenos.

Dependendo do quadro, a perda pode ser menor ou maior. Há casos em que ocorre a perda total dos fios. Mas, no geral, eles retornam após alguns anos.

Ela ocorre devido à destruição autoimune dos folículos capilares localizados na pele. Geralmente, surge devido a outras enfermidades, como tireoidites, diabetes, lúpus, vitiligo, rinites etc.

Alopecia androgenética (calvície)
Esse tipo de queda faz com que o cabelo passe a ficar mais fino, a partir do meio da cabeça até toda a região de trás. Está associada com a predisposição genética, ou seja, quando na família existe alguém que já possui a doença.

A calvície pode atingir homens e mulheres e também tem relação com a idade, sendo mais frequente na fase adulta.

Alopecia cicatricial
A alopecia cicatricial provoca a perda permanente dos fios e gera cicatrizes que destroem a capacidade de regeneração do fio. Costuma ser causada por queimaduras químicas, físicas ou por quimioterapia, mas também tem relação com doenças como tuberculose e leishmaniose.

Alopecia mecânica
Perda temporária ou definitiva dos cabelos, as principais causas são procedimentos químicos realizados como alisamentos, alongamentos e até queimaduras.

Alopecia traumática
Ocorre quando há uma ação sobre o couro cabeludo, em situações como pós-cirurgias, uso de tinturas, infecções, temperaturas extremas, fios muito presos em penteados de tranças, dreadlocks, entre outros. Caso o problema seja detectado de forma precoce, é possível revertê-lo.

Alopecia seborreica
Este tipo de queda tem início nas laterais e parte de trás da cabeça, sendo mais comum nos homens. A alopecia seborréica pode evoluir e atingir todo o couro cabeludo. Quanto mais cedo o início da queda, mais preocupante é a condição.

Alopecia total (totalis)
Essa condição faz com que aconteça a perda de todos os fios de cabelo, mas as outras partes do corpo que contêm pêlos não sofrem alteração alguma. Geralmente, é causada por herança genética mas, em alguns casos, tem fundo emocional.

Alopecia universal (universalis)
Essa é uma versão mais grave da alopecia total, em que além dos fios de cabelo, a pessoa perde também todos os pelos do corpo, incluindo sobrancelhas, cílios e pêlos pubianos.

Eflúvio
Caracteriza-se pela quebra e queda dos fios de cabelo, possuindo várias causas, como estresse, parto e doenças graves. Este tipo de queda de cabelo é comum ao público feminino e responde bem aos tratamentos capilares que fazem o fio voltar a crescer saudável.

O eflúvio pode ser subdividido em:

Eflúvio telógeno
Neste caso o cabelo cai após uma experiência estressante, como um parto ou uma grande cirurgia. Essa condição atinge as fases anágena e catágena, fazendo com que o fio passe diretamente para a fase de repouso (em que os fios tendem a cair).

Leia também: queda de cabelo causa

O eflúvio telógeno é reversível, sendo possível fazer um tratamento e obter o crescimento dos fios novamente.

Eflúvio anágeno
Caracteriza-se pela perda incomum de cabelo, ainda durante a fase inicial do ciclo de crescimento (anágena) pelo qual o cabelo passa.

Suas causas podem incluir os tratamentos realizados durante o combate a um câncer, como a radioterapia e quimioterapia. Isso porque esses métodos são agressivos e acabam atingindo todas as células do corpo, inclusive as saudáveis.

Qual a diferença entre alopecia areata e a queda de cabelo comum?
A diferença entre ambos é que a alopecia areata tem relação com outras doenças e, em alguns casos, não há cura. Já a queda de cabelo comum, ocorre devido a alguma situação pontual (como estresse e pós-parto).

Geralmente a alopecia areata causa a perda de cabelo em várias partes do couro cabeludo, no formato e tamanho de uma moeda grande. O cabelo não volta a crescer naturalmente nestes casos.

Por outro lado, na queda de cabelo comum geralmente os fios voltam a ficar grossos e saudáveis em pouco tempo.

Alopecia feminina
A queda de cabelo pode ser uma queixa comum entre as mulheres. Chamada de alopecia feminina, a condição causa o aumento da quantidade de fios que caem do couro cabeludo, além de gerar o afinamento e a dificuldade deles crescerem.

Nas mulheres a queda de cabelo se manifesta na parte superior da cabeça, diferente dos homens em que geralmente ocorre nas entradas do cabelo (rente à testa).

Após notar a queda dos fios, é preciso analisar qual o motivo para eles caírem. Pode ser desde um novo produto capilar utilizado, fatores genéticos, nutricionais, emocionais e também as alterações hormonais da mulher (sobretudo na gravidez e menopausa).

Nesses casos, é necessário manter a calma. Isso não quer dizer que todos os fios capilares vão cair de uma vez só.

Na realidade, eles caem em tufos (pequenas quantidades), portanto há tempo para reverter a situação.

Há diferenças entre a queda de cabelo no homem e na mulher?
Sim! A queda de cabelo ocorre de forma diferente para o homem e para mulher, devido alguns fatores:

Idade
Um dos principais fatores que determina as diferenças da queda de cabelo no homem e na mulher é a idade. Nos homens, geralmente ela começa no início da puberdade — embora algumas vezes os sintomas podem ficar mais expressivos somente a partir dos 40 anos.

Já nas mulheres o problema costuma ser algo pontual. São poucas as que sofrem com a queda no início da adolescência devido aos hormônios.

Nos casos em que a mulher tem síndrome do ovário policístico (SOP), devido a doença, a queda ocorre independente da idade.

No fase da menopausa também é comum os cabelos caírem, por causa das alterações hormonais.

Locais em que ocorre a perda dos fios
Quando ocorre a perda de fios nos homens, são afetadas as entradas frontais e a parte atrás da cabeça. Já nas mulheres, a perda começa no topo da cabeça e aos poucos os fios das outras partes começam a cair, deixando o cabelo mais ralo.

Quais as causas da alopecia?

A alopecia pode ocorrer por vários fatores, são eles:

Uso de medicamentos
Alguns medicamentos podem causar a queda de cabelo temporária, como medicamentos quimioterápicos, pílulas anticoncepcionais, diluidores de sangue, bloqueadores para controlar a pressão arterial, entre outros.

Estresse
Qualquer tipo de estresse, seja ele físico ou emocional, pode ocasionar a perda de cabelo por um período. Após tudo se tranquilizar, os fios tendem a crescer novamente.

Produtos químicos
Utilizar muitos produtos químicos no cabelo também pode fazer com que ele caia. Lavar com frequência, fazer escovas progressivas ou tingir demais acaba enfraquecendo o fio, tornando-o fácil de quebrar.

Doenças e condições subjacentes
A queda de cabelo pode ser influenciada por outras doenças que estão se manifestando, sendo na verdade um sintoma um sintoma de outro problema. Exemplos de doenças que influenciam na queda de cabelo são: anemia, tireoidite, lúpus, entre outras.

Reação hormonal pós-parto
A gravidez é um processo que mexe muito com o corpo da mulher, sendo também um tipo de estresse físico às várias reações hormonais causadas no organismo.

Após o nascimento da criança, o corpo feminino passa por um processo de renovamento e é comum que os fios caiam em decorrência disso. Mas após o período, os fios voltam a crescer normalmente.

Má alimentação
Não manter uma dieta equilibrada em proteínas, vitaminas, ferro e zinco os fios pode fazer os fios cair devido a falta destes componentes, essenciais ao funcionamento do organismo. Após a reposição, os fios tendem a voltar a crescer sem nenhum problema.

Herança genética
Quando os pais possuem queda de cabelo desde jovens, é provável que os filhos também venham a sofrer do mesmo. Os genes influenciam na predisposição da pessoa, ocasionando uma possível perda de cabelo tanto em homens quanto mulheres.

Menopausa
Quando a menopausa tem início ocorrem muitas alterações hormonais que podem afetar o desenvolvimento dos fios de cabelo, ocasionando posteriormente a queda.

É uma perda de cabelo que costuma ser temporária. Com uso de produtos indicados e alimentação, é possível que os fios voltem a crescer.

Tricotilomania
A tricotilomania faz com que as pessoas sintam uma vontade de puxar constantemente seus cabelos. Algumas pessoas não se dão conta do problema e puxam seus fios inconscientemente, durante alguma atividade.

Em alguns casos não são só os fios de cabelo que são arrancados, mas também cílios, sobrancelhas e até mesmo pelos do nariz . A tricotilomania é vista como um transtorno mental, que possui tratamento.

Excesso de vitamina A
Tudo em excesso acaba fazendo mal para nossa saúde. Exagerar em medicamentos ou suplementos para treinamento físico que contêm vitamina A, pode causar a queda de cabelo.

É necessário observar a reação dos cabelos, e caso seja constatado que a perda dos fios é pelo excesso da vitamina A, será necessário diminuir o consumo.

Micose no couro cabeludo
A micose é uma infecção causada por fungos, que surgem no cabelo dando muita coceira e ocasionando a queda dos fios.

Esse tipo de doença pode ser transmitido de pessoa para pessoa, por meio do compartilhamento de pentes, toalhas, chapéus entre outros objetos que tenham contato com os cabelos.

Este caso pode ser tratado e os cabelos voltam a crescer sem problemas.

Fatores de risco
Há fatores que podem influenciar para que ocorra um quadro de alopecia, são eles:

Histórico familiar de calvície;
Idade;
Perda de peso significativa;
Outras doenças, como diabetes e lúpus;
Estresse;
Gravidez;
Excesso de vitamina A;
Falta de proteínas e alguns minerais;
Disfunções hormonais;
Deficiência de vitamina B12.
Quais são os sinais da alopecia?
O principal sintoma da alopecia é a queda brusca dos fios de cabelos e/ou pelos do corpo. Em resumo, a condição pode ser percebida quando é possível visualizar facilmente o couro cabeludo em algumas áreas da cabeça, em que faltam cabelos.

Geralmente o couro cabeludo fica sem a presença de fios, com falhas de formato arredondado em círculos únicos ou múltiplos. A falta de pelos também pode ser perceptível na barba, sobrancelhas e outras regiões.

Alguns sinais que podem indicar a condição são:

Queda de cabelo, especialmente no topo da cabeça;
Perda completa de todos os pelos no corpo;
Falhas e perda de cabelo no couro cabeludo e nas sobrancelhas;
Falhas circulares ou irregulares;
Fios de cabelo quebrados, vermelhidão, coceira e inchaço;
Fios de cabelo cada vez mais finos.
Como é feito o diagnóstico?
Para diagnosticar o problema, é necessário realizar uma consulta com o médico dermatologista, que fará um exame clínico, como tricograma ou dermatoscopia do couro cabelo.

Durante os exames, o dermatologista pode retirar uma amostra de fio de cabelo para conseguir realizar a análise, fazer as avaliações e obter os resultados.

Com a ajuda de aparelhos, o especialista analisa o couro cabeludo e o aspecto da saúde dos fios, assim é possível um diagnóstico correto e a definição de um tratamento específico para cada caso.

Exames
Conheça um pouco mais sobre cada exame utilizado para diagnosticar a alopecia:

Exame clínico
O exame consiste em observar e anotar falhas e entradas, além da densidades e consistência do cabelo. Qualquer alteração que for encontrada será anotada pelo profissional.

Quando o caso é diagnosticado como alopecia, ocorre a avaliação das extremidades do cabelo, fissuras e mais alguns detalhes para então indicar qual melhor tratamento.

Tricograma
Para este exame é necessário retirar uma amostra de cabelo, de 50 a 100 fios de alguma área do couro cabeludo. Após a coleta, os fios são colocados em lâminas e levados para análise no microscópio.

Dermatoscopia
Por meio de um equipamento, é possível aumentar as imagens em 10 a 20 vezes e fotografar a espessura dos fios, o couro cabeludo e a distribuição de pigmentos e processos inflamatórios. Dessa maneira, com as imagens detalhadas, o especialista consegue analisar as condições do cabelo.

Tem cura?
Depende. A alopecia tem cura somente em alguns tipos. Nos casos genéticos, por exemplo, o problema pode persistir. Mas, no geral, a queda pode ser resolvida com diversas opções de tratamento, que podem ajudar o cabelo voltar a crescer, além de evitar as

quedas futuras.

Qual o tratamento?

O tratamento irá variar de acordo com o diagnóstico. Muitos casos de queda não precisam ser tratados, pois boa parte dos fios volta a crescer em pouco tempo. Mas se esse não é seu caso, há diversos tratamentos disponíveis para tratar a alopecia, confira:

Microagulhamento
O tratamento com microagulhamento envolve um aparelho que realiza microperfurações na pele, dentro do couro cabeludo.

Essas microperfurações formam uma espécie de ferida, em que o organismo recebe estímulo para cicatrizar o ferimento. Assim, com o estímulo, é produzido o crescimento capilar.

O aparelho utilizado lembra os mesmos usados para fazer tatuagem.

Terapia com laser
Neste procedimento, são utilizados lasers de baixa e média potência para tratar a inflamação no folículo capilar que está comprometendo a saída do fio no couro cabelo.

Dessa maneira, o laser aumenta a chance do crescimento saudável do fio.

Há uma diversidade de aparelhos para o tratamento, desde mais simples aos que fazem contagem e espessura do fio.

Transplante capilar
Casos mais avançados podem ser tratados por meio do transplante capilar. Este tratamento consiste em retirar os fios de cabelo da parte de trás da cabeça (próximo ao pescoço) e implantá-los no couro cabeludo, onde existem falhas.

Não há problema na retirada destes fios próximos ao pescoço, pois eles voltam a crescer normalmente. Também podem ser utilizados pelos do peito e até das costas.

Existem no mercado duas técnicas para realizar o transplante capilar:

Extração de Unidades Foliculares (FUE)
Com o auxílio do equipamento cirúrgico, são retirados um a um os folículos capilares e colocados diretamente na região sem cabelo. A recuperação é rápida e as cicatrizes não ficam aparentes, pois o cabelo cobre-as facilmente.

Geralmente esta técnica é um pouco mais cara, por ser realizada utilizando um robô, comandado pelo especialista.

Transplante de Unidade Folicular (FUT)
É retirada uma faixa do couro cabeludo, em que são selecionadas unidades dos folículos capilares que posteriormente vão ser colocadas no couro cabelo, no local em que faltam os fios.

Geralmente essa técnica é indicada para tratar áreas maiores, que estão sem cabelo. É uma técnica acessível, mas que exige tempo de repouso e deixa uma cicatriz mais visível.

Aparelhos de uso doméstico
Fora do Brasil é comum o uso dos chamados “gadgets”, que são aparelhos para utilizar em casa para ajudar no crescimento dos fios. Alguns estão chegando ao país, como o HairMax.

Trata-se de um tipo de aparelho de baixa intensidade que aumenta o fluxo de oxigênio e nutrientes, estimulando dessa maneira os fios a saírem mais saudáveis do couro cabeludo.

Implantes capilares
Esse tratamento consiste em um implante feito com fios de náilon cirúrgico, de aparência próxima ao cabelo humano, que são implantados no couro cabeludo.

Utilizando um sistema de ancoragem, o médico responsável realiza o implante no cabelo de forma rápida com uma espécie de pistola, utilizando apenas de anestesia local.

Os fios podem ser escolhidos conforme a cor que o paciente deseja, sendo aplicados de 12 a 25 fios por vez, com pouco risco de rejeição.

Medicamentos
Diversos medicamentos estão disponíveis para o tratamento da alopecia. A escolha de qual será utilizado deve ser feita pelo médico dermatologista, junto ao paciente.

Os medicamentos têm o objetivo de reduzir as falhas e evitar que novas possam surgir, estimulando o crescimento do cabelo novamente.

Algumas das medicações comumente utilizadas são:

Acetato de ciproterona (Androcur, Prostman) — usada em casos de alopecia androgenética, ou calvície;
Alfaestradiol (Alozex, Avicis, Tegan) — usada em casos de alopecia androgenética, ou calvície;
Betametasona (Lergidrin, Diprospan, BetaTrinta) — usada em casos de alopecia areata.
Existem ainda outros medicamentos que podem ser indicados em casos de alopecia e são considerados mais populares:

Finasterida
Utilizada para tratar exclusivamente a alopecia androgenética (calvície hereditária), a finasterida pode ser utilizada em baixas dosagens, quando prescrita pelo médico.

O medicamento impede que a testosterona se transforme em diidrotestosterona, uma forma do hormônio que reage tendo resultados positivos sobre a perda de cabelo.

A finasterida foi desenvolvida inicialmente para tratar casos em que as glândulas das próstatas estão aumentadas, mas durante o teste em pacientes os médicos notaram um efeito colateral.

Os pacientes começaram a apresentar crescimento nos fios de cabelo. Assim, uma versão de menor concentração do fármaco foi desenvolvida para o tratamento da calvície.

Em alguns pacientes, a finasterida tem como efeito colateral a redução de libido, problemas durante a ereção e na consistência do esperma. Portanto, é preciso uma prescrição médica e acompanhamento para utilizar o medicamento.

A Finasterida é conhecida comercialmente por nomes como Fendical, Finalop e Finastil.

Minoxidil
Utilizado para estimular o desenvolvimento dos cabelos e pelos, o Minoxidil é um medicamento que ajuda na vasodilatação dos folículos, fazendo com que os fios voltem a crescer.

É usado no tratamento de calvície masculina para combater falhas no couro cabeludo e fortalecer os fios.

Em algumas pessoas a substância pode provocar efeitos colaterais, como coceira, ardência e vermelhidão na região em que houve a aplicação do produto.

Minoxidil é comercializado pelo nome Regaine, em formato de solução capilar e com concentração de 5%.

Pantogar
Pantogar é um medicamento indicado para tratamento de eflúvio telógeno e alopecia difusa em mulheres. Ele auxilia no crescimento dos cabelos, fornecendo nutrientes para que os fios cresçam saudáveis e fortes.

A duração do tratamento com Pantogar é de, em média, 3 a 6 meses.

O medicamento ainda pode ser encontrado sob a forma de Loção Antiqueda, Pantogar Men (suplemento indicado para homens) e Pantogar Neo (suplemento para repor vitaminas e minerais).

Antralina e Difenciprona
Estes dois medicamentos são indicados principalmente para tratar a psoríase, mas estudos clínicos demonstram que eles têm eficácia para alopecia, sobretudo nos casos em que as quedas acontecem em regiões específicas.

É como se estes medicamentos pudessem conter uma resposta imune do organismo, responsável por gerar a queda.

Flutamida e Espironolactona
A Flutamida e a Espironolactona também são eficazes no tratamento da alopecia por atuarem por mecanismos hormonais. Elas inibem a ação de andrógenos (testosterona e derivados) que atuam causando a queda.

Nesses casos, o controle da queda é como se fosse um efeito secundário destes princípios ativos. Por isso, não são medicamentos para se utilizar por conta própria, pois apresentam muitos efeitos colaterais.

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Convivendo

Algumas dicas são importantes para conviver e se sentir melhor com a condição:

Reduza o estresse
Para ajudar o organismo, tente diminuir o estresse do cotidiano, distraia a mente e foque em pensamentos positivos para ajudar a resolver o problema.

Pratique exercícios ou alguma atividade de sua preferência para acalmar o corpo e mente. Além disso, praticar métodos alternativos, como yoga e acupuntura, pode ser uma boa opção.

Leia mais: Meditação (guiada, transcendental): como fazer, para dormir, músicas

Cuide da alimentação
Adote uma dieta com boa fonte de vitaminas. Os ácidos graxos, como o ômega 3 ajudam na saúde da pele, cabelos e unhas. Por isso, dê preferência a alimentos que contêm esses ácidos, como salmão, óleo de linhaça, nozes e amêndoas.

Alimentos com vitamina B6, como bananas, batatas e espinafre ajudam a produzir anticorpos para a defesa do nosso corpo. Já a vitamina B12, encontrada em carnes, aves, peixes e laticínios, auxilia na formação e reparo das células.

Frutas, vegetais frescos e grãos fortificados, como feijão e lentilhas, também são bem-vindos, pois dão uma força na dieta, devido a presença de ferro.

Leia mais: Alimentos para anemia que ajudam na cura e prevenção

Se informe
Busque se informar sobre a condição para que não haja dúvidas ou medos. Assim você também estará preparado para o tratamento. Isso também ajuda a reduzir a ansiedade devido ao problema pelo qual se está passando.

Proteja sua cabeça
Os raios solares podem causar queimaduras e até manchas de pele nas áreas em que estão faltando os fios de cabelo.

Por isso, invista em chapéus, lenços e perucas para proteger a cabeça dos raios UV e UVA. O visual também pode ajudar a melhorar sua autoestima.

Busque ajuda na terapia
Mesmo não sendo uma condição grave, a alopecia pode afetar o estado emocional, principalmente das mulheres que são mais apegadas ao cabelo.

Se necessário, busque a ajuda de um teraupeta, psicólogo ou grupos de apoio para lidar com as emoções e inseguranças devido a condição.

Prevenção: como evitar a queda capilar?
Nem sempre há formas de evitar a alopecia, especialmente quando ela está relacionada a fatores genéticos. Mas existem dicas para prevenir os danos que podem provocar a queda dos cabelos:

Use seu cabelo de forma natural e evite químicas — se não for possível, realize hidratações sempre que puder;
Escolha produtos específicos para seu tipo de cabelo;
Escove o cabelo com escovas de cerdas naturais, pois o dano é menor aos fios;
Seja cuidadoso ao escovar o cabelo molhado, pois o fio fica mais frágil que o normal;
Além disso, é importante realizar consultas regulares ao médico para evitar que outras doenças provoquem a queda de cabelo como sintoma.

Caso você perceba uma grande quantidade de perda dos seus fios capilares, não hesite em consultar um dermatologista para diagnosticar a causa.

A queda de cabelo atinge homens e mulheres e pode ser causada por fatores que vão desde o emocional até questões genéticas.

Compartilhe com os amigos essas informações para que eles também saibam sobre os cuidados com a alopecia!

Elimine as cólicas do período menstrual com essas doze dicas

Elimine as cólicas do período menstrual com essas doze dicas

Conheça as massagens, os remédios e os truques que realmente fazem efeito

Mais de 50% das mulheres em idade fértil sentem calafrios só de olhar o calendário e notar que a fase de cólicas está chegando. Dos 12 aos 30 anos, esse é um problema comum , afirma a ginecologista Silvana Chedid.

“O mal aparece em conseqüência das contrações realizadas pelo útero para eliminar o sangue. Ou seja, quanto mais intenso for o fluxo, mais fortes serão as cólicas” , explica a médica. Mas se você já está cansada de saber o que está por trás de tanto sofrimento e quer mesmo é arranjar uma solução para ele, confira as soluções simples e eficazes para acabar de vez com esse incômodo.

Leia também: Atroveran composto

Analgésicos e anti-inflamatórios

Mulher tomando remédios – foto: Getty Images
Algumas mulheres têm cólicas mensalmente. Para elas, lançar mão de algum remédio pode ser a melhor saída. Mas só faça isso depois de consultar um médico, afirma a ginecologista do Hospital Beneficência Portuguesa.

Anticoncepcionais à base de hormônios

Mulher tomando remédios – foto: Getty Images
A pílula ou outros métodos do gênero têm ação comprovada contra as dores de quem pena com o fluxo muito intenso. Como ela diminui a intensidade do fluxo, as cólicas também acabam diminuindo , associa a doutora Silvana Chedid.

Massagens

Massagem na barriga – foto: Getty Images
Técnicas que utilizam o calor (como a massagem de pedras) têm ótimo efeito contra as dores e os inchaços tão comuns no período. As massagens ayurvédica, tuiná, o shiatsu e a reflexologia melhoram a circulação e relaxam a musculatura , afirma a fisioterapeuta Andréa Machado, gerente do Thalasso Spa da Praia do Forte (Bahia).

Terapias alternativas

Acupuntura – foto: Getty Images
A acupuntura é indicada tanto para aliviar as dores como para prevenir o surgimento delas, de acordo com a fisioterapeuta. Para a Medicina Tradicional Chinesa, a cólica menstrual surge devido a um desequilíbrio entre o fígado, o baço e o pâncreas, explica Andréa. As agulhas vão agir equilibrando estes órgãos e, assim, tratando outros sintomas da TPM até regularizar o ciclo . Ela cita ainda a talassoterapia como opção. Além do calor, a técnica usa princípios ativos da água do mar, que penetram na pele e melhoram os sintomas da TPM, incluindo as cólicas.

Exercícios físicos

Mulher fazendo alongamento – foto: Getty Images
Quando treina, você aumenta a dose de endorfina que circula no sangue. Esse hormônio provoca uma sensação de prazer e euforia, ajudando a esquecer o desconforto. Além disso, o esforço físico faz com que os vasos do colo uterino se dilatem, facilitando a passagem do sangue. Fora isso, os líquidos retidos que causam o inchaço, tanto da mama como do ventre, são mais bem drenados com o aumento da temperatura corporal e com a transpiração , afirma a especialista do Thalasso Spa.

Bolsa de água quente

Mulher com bolsa de água quente – foto: Getty Images
O calor alivia as dores porque relaxa os músculos, dilata os vasos capilares e causa a sensação de bem-estar.

Peixe

Peixe – foto: Getty Images
De acordo com a responsável pelo Spa na Praia do Forte, uma dieta rica em peixe auxilia o controle dos espasmos. A sugestão refere-se ao fato de que a prostaglandina é produzida com base em ácidos graxos, e peixes são ricos nessa substância.

Chá

Chá – foto: Getty Images
Chás de camomila ou de menta, quentes, ajudam a aliviar a dor além de proporcionar uma deliciosa sensação relaxante.

Exclua as gorduras

Manteiga – foto: Getty Images
Frituras, manteigas e carnes gordurosas são as principais responsáveis pela elevação dos níveis de estrógeno e conseqüente aparecimento das cólicas , explicam as nutricionistas Roseli Rossi e Paula Corrêa, da Clínica Equilíbrio Nutricional, em São Paulo.

Fibras

Café da manhã rico em fibras – foto: Getty Images
Cereais integrais, frutas e verduras favorecem a eliminação do estrógeno em excesso (aquele hormônio que leva ao espessamento do útero e acaba causando as contrações musculares para saída do sangue menstrual). Menos estrógeno é igual a menos contrações e, portanto, menos dores.

Abacaxi

Abacaxi – foto: Getty Images
Aproveite para se refrescar com ele. A fruta é rica em bromelina, uma substância que melhora digestão e também tem ação antiinflamatória , explicam as nutricionistas da Clínica Equilíbrio Nutricional.

Cálcio

Alimentos ricos em cálcio – foto: Getty Images
De acordo com as duas especialistas em nutrição, vegetais verdes escuros, leite e derivados dele agem diretamente sobre a musculatura lisa do útero, reduzindo as contrações musculares dolorosas. E, por serem ricos em triptofano (aminoácido ligado à produção de serotonina), esses alimentos ainda reduzem a tensão e ansiedade típicas da TPM. O magnésio tem efeito parecido e pode ser encontrado na banana, no leite, na beterraba e na aveia.

Wallababie: Qual é o valor? Como funciona? Como devo usar? É seguro?

Os tempos mudaram e para as mamães que vivem hoje nos centros urbanos, proteger seus bebês de tanta poluição, germes e o forte calor parece impossível. Mas quando se trata da segurança do seu filho, sempre há um jeito de cuidar dele, não é mesmo? Por isso hoje nossa resenha é sobre o Wallababie, uma inovação para as mamães de plantão.

Se você não conhece esse produto e quer saber mais sobre ele, confira o artigo de hoje!

Contents [hide]

1 Onde posso comprar o Wallababie original?
2 Qual é o preço dele?
3 Posso pagar o Wallababie no cartão de crédito?
4 Tem na Mercado Livre?
5 Mas o que é o Wallababie? Como ele funciona?
6 Quais os benefícios para o meu bebê?
7 Como posso usar o Wallababie?
8 Mas o Wallababie não sufoca o bebê?
9 Ele tem garantia?
10 O Wallababie é seguro para o meu bebê?
11 Alguma mamãe já experimentou? Ele funciona mesmo?
Onde posso comprar o Wallababie original?

O Wallababie original e com todas as suas funcionalidades e proteções garantidas só pode ser adquirido através do site oficial, que é o www.wallababie.com.br. Por ele você tem uma garantia exclusiva de satisfação e a segurança de estar comprando o tecido real, com a tecnologia feita para proteger seu filho.

Se você deseja comprar o seu Wallababie agora, basta clicar no botão abaixo e encomendar o seu:

Atenção! Nós somos um blog de intuito informativo, por isso não realizamos a venda desse produto. Clique aqui para comprar seu Wallababie original.
Qual é o preço dele?
O Wallababie é vendido em um único kit, com uma unidade, mas que pode servir para pelo menos 10 funções diferentes. Por isso, seu preço é um pouco alto, mas que vale pelo custo-benefício, já que o tecido dura bastante tempo, você tem FRETE GRÁTIS e não vai precisar comprar outro tão cedo.

Dessa forma, você pode encontrar o Wallababie no site oficial pelo valor de doze parcelas de R$ 20,78.

Posso pagar o Wallababie no cartão de crédito?
Ao adquirir seu Wallababie pelo site oficial, você pode pagar de duas formas: pelo cartão de crédito ou no débito, sendo que a melhor opção é pelo cartão. Isso porque o boleto demora até 3 dias úteis para ser aprovado, portanto, sua compra demora um pouco mais para chegar.

Além disso, pelo cartão de crédito você pode pagar com: Visa, MasterCard, Amex, Diners, Elo e Hipercard. E você ainda tem mais controle dos seus gastos e segurança para falar com o fabricante sobre problemas de pagamento caso haja algum.

Tem na Mercado Livre?
Afinal, quando se fala dos nossos pequenos, não podemos correr o risco de comprar algo que não funciona, certo?

Imagine se você compra um Wallababie falso e sai com seu bebê no Sol com ele. Isso poderia até mesmo queimar a pele tão sensível do seu filho que ainda não está com o sistema imunológico preparado para os raios solares.

Por isso, sempre compre pelo site oficial onde você tem a certeza que vai receber o produto verdadeiro, que funciona e não irá prejudicar a saúde do seu filho.

Mas o que é o Wallababie? Como ele funciona?
Como toda mamãe, você com certeza deve estar curiosa para entender como funciona esse produto e descobrir se ele realmente tem a tecnologia suficiente para proteger seu filho.

Por isso vamos te explicar! O Wallababie é um tecido multifuncional elaborado com uma tecnologia chamada “marsupibag” que tem esse nome por se assemelhar às bolsas marsupiais dos cangurus.

O estudo desses animais curiosos serviu para compreender com as fêmeas cangurus conseguem proteger seus filhotes do Sol forte na Austrália, os ventos fortes, vírus, bactérias e claro, os curiosos seres humanos.

Por isso, o Wallababie foi elaborado para simular essa bolsa de proteção, servindo para defender o seu bebê dos vírus e bactérias, bem como a intensa poluição das cidades grandes.

Assim, o Wallababie atua amenizando os tantos perigos para o sistema imunológico do seu pequeno que ainda está em construção.

Quais os benefícios para o meu bebê?
Apesar de parecer apenas um tecido comum, a composição da tecnologia usada no Wallababie porporciona mais segurança e proteção ao seu bebê. Por isso, ao usá-lo das diversas formas, isso trará vários benefícios ao seu pequeno, como:

Proteção contra germes, micro-organismos e bactérias
O tecido é uma barreira contra a poluição das cidades grandes
Livre da poeira em contato com a pele
A tecnologia do pano oferece proteção contra os raios solares
Os microfuros deixam o tecido respirável
Cobertura 360º
Toque macio e confortável para seu bebê dormir
Tecido elástico e adaptável
Privacidade para você e seu pequeno
Regula a temperatura do bebê
Preservado de curiosos e estranhos
Por isso, investir nesse produto é mais do que capricho para o seu bebê, é uma questão de segurança e saúde.

Mas fique atenta para não comprar produtos falsificados, pois eles podem ser réplicas desse tecido que não irão funcionar como esperado, podendo prejudicar seu bebê.

CLIQUE AQUI PARAR COMPRAR O ÚNICO WALLABABIE ORIGINAL!

Como posso usar o Wallababie?
Você pode usar o Wallababie em seu bebê em pelo menos 10 formas diferentes, devido à sua maleabilidade e facilidade de se adaptar em qualquer situação. As mais comuns que as mamães usam são:

Leia também: Wallababie

Assim, você vai melhorar a vida de seu pequeno de várias formas, já que ele servirá como proteção nos seguintes casos:

Como cobertura contra germes e bactérias: pode ser colocado no carrinho do supermercado, no bebê conforto, nas cadeirinhas de alimentação ou em locais de descanso. Assim, seu Wallababie cobre o local infectado com germes e bactérias e seu bebê não corre o risco de pegar doenças ou infecções severas.
Calmante para o seu bebê: você pode enrolar seu filho no tecido formando um charutinho, que o mantém aquecido, próximo a você, sentindo o cheiro e a proteção da mãe.
Mantinha: usando o Wallababie como cobertor, seu pequeno terá uma mantinha própria e você sempre terá algo a mãos quando estiver frio e você precisar esquentar ele.
Pano para amamentação: como não são todos lugares em que as mães se sentem confortáveis para dar leite ao bebê, o Wallababie também auxilia nisso. Você pode usar o tecido para tampar seu bebê durante a amamentação, deixando os dois livres de olhares curiosos e inconvenientes.
Além dessas formas de uso, você ainda pode usar seu Wallababie como uma echarpe quando não estiver usando no seu baby. Afinal, as mães são multifuncionais e podem ser vaidosas também!

Mas o Wallababie não sufoca o bebê?
É comum que as mamães se perguntem se o Wallababie não sufoca a criança quando cobrimos o carrinho inteiro com o tecido. Afinal, principalmente no verão, as temperaturas são altas e parece não fazer sentido tampar a criança com um tecido, não é mesmo?

Porém, é aí que está um dos segredos da tecnologia do tecido Wallababie. Ao testar o uso do produto no Sol, notamos que um tecido comum aumenta cerca de 5º C ao ficar tampando o bebê conforto por cerca de 20 minutos.

Já o Wallababie ficou pelo mesmo período de tempo no carrinho e surpreendeu: com ele, houve uma queda de -2º C no carrinho. Isso acontece porque sua composição faz com que ele regule a temperatura ambiente com o cantinho do seu bebê.

Assim, ao invés de esquentar, o tecido filtra os raios solares e mantém o cantinho do seu bebê fresco para não incomodá-lo.

Ele tem garantia?
Sim, o melhor é que para quem compra o Wallababie no site oficial, você tem direito a uma garantia de 6 meses caso seja necessário por reparação ou substituição do tecido.

É só entrar em contato com o fabricante e solicitar a garantia, caso seja necessário. Mas esse benefício só é cedido para quem compra através do site oficial.

O Wallababie é seguro para o meu bebê?
Sim, esse tecido foi desenvolvido a partir de longos anos de estudos para proporcionar um pano que filtra as impurezas, possui micro furos para ser respirável e é anti germes. Por isso, podemos dizer que ele é sim seguro para a saúde e o sistema imunológico do seu pequeno.

Alguma mamãe já experimentou? Ele funciona mesmo?
Separamos alguns comentários das mamães que já usaram o Wallababie para ver o que elas estão achando dessa inovação. Por isso, se você tem alguma dúvida sobre se ele realmente funciona, confira o que as mamães que testaram estão achando:

A Thayana gosta de usar o seu como uma echarpe quando não está usando no bebê:

Já a Mariana Rocha deixa seu bebê dormindo enroladinho e confortável enquanto ela fica libra para fazer outras tarefas:

A Flávia, a Fabíola e a mamãe Mari também compartilharam algumas fotos usando o Wallababie no bebêzinho delas, confira:

Suco detox: Qual é a melhor hora para tomar no dia a dia? Descubra!

Existe hora certa para beber suco detox? Não, especificamente, mas é preciso estar atento ao consumo diário. Saiba mais!
Que o suco detox é uma das opções mais saudáveis e nutritivas para a nossa hidratação isso é um fato, mas será que existe uma hora certa para bebê-lo diariamente? Seja no café da manhã, almoço, jantar ou acompanhando lanches e pequenas refeições, esse tipo de bebida à base de frutas, verduras e hortaliças está sempre presente nos cardápios de dietas das pessoas preocupadas com o corpo. Descubra qual é a melhor momento para consumir esse alimento no seu dia a dia e o benefícios dessa poderosa bebida natural!

Mesmo que seja um alimento voltado à saúde, o consumo de suco detox precisa de equilíbrio e atenção. Com diferentes cores (tem suco verde, amarelo e vermelho), sabores e composições, a bebida pode compor diversos momentos do seu dia, no entanto, segundo a nutricionista Mariane Valpassos é importante estarmos atentos às características nutricionais do alimento e suas funções no organismo:

“Não existe um horário específico para ingerir a bebida mas um bom momento é no café da manhã. O mais importante é saber que o suco, apesar de auxiliar na perda de peso, não é um emagrecedor e nem possui uma receita específica. O ideal é colocar um vegetal verde, como couve, ou uma fruta (maçã, maçã verde, limão, laranja), acrescentando outros ingredientes”, explica a profissional.

Leia também: Max Detox preço

4 benefícios dos sucos detox para nosso corpo
1 – Faz a limpeza do organismo: O suco detox tem como principal característica eliminar as substâncias nocivas ao nosso corpo, tornando-o mais saudável e limpo. Por serem alimentos ricos em fibras, eles agem junto ao fígado, filtrando e eliminando as toxinas.

2 – Auxilia no processo de emagrecimento: Os alimentos presentes na bebida ajudam a acelerar o metabolismo, o que favorece a perda de peso. Aliado à prática de atividades físicas constantes, o suco detox acelera a queima de calorias, ajudando a alcançar o peso ideal.

Leia também: Kifina funciona

3 – Facilita o consumo de vegetais: Para quem tem dificuldade de acrescentar os vegetais no dia a dia, seja por falta de tempo ou por gosto, o suco detox é uma ótima oportunidade para inserir esses alimentos. A mistura dos ingredientes inibe o sabor da couve, por exemplo, já que são todos batidos no liquidificador.

Leia também: Phytophen funciona

4 – Fornece energia: Por ser composto de alimentos desintoxicantes, quando eliminamos as toxinas do organismo e aceleramos o nosso metabolismo, automaticamente a bebida fornece mais disposição para realizarmos nossas atividades físicas ou obrigações diárias no trabalho e em casa.

Os cuidados com o consumo do suco detox
Para manter o equilíbrio do nosso organismo e variar na ingestão de nutrientes, você pode diversificar nas receitas, inovando os nutrientes e até as cores do suco detox. Além disso, há algumas restrições no consumo, como os diabéticos, por exemplo, que devem estar atentos ao índice glicêmico da bebida, por isso, é importante sempre ter uma orientação profissional:

Leia também: Farinha seca barriga funciona

“Devemos ter cuidado com esse consumo exagerado. Muitas pessoas tem restrições e não podem consumir o suco devido a casos específicos, portanto, é importante consultar um nutricionista para se informar”, finaliza Mariane Valpassos.